Sanskrit & Trika Shaivism (English-Home)

O Javascript está desativado! Cheque este link!


 Pratyabhijñāhṛdayam (português)

Somente os 20 sūtra-s --sem comentário-- de Kṣemarāja que expõem o Coração do Reconhecimento

 

 


 Introdução

Olá, Gabriel Pradīpaka novamente. Como você certamente sabe a partir de Trika 2 (português)|Literatura, a literatura do Shaivismo não dual da Caxemira é dividida em três seções. A presente escritura concerne à terceira seção, denominada Pratyabhijñā (Reconhecimento). O famoso sábio Kṣemarāja havia escrito muitos comentários sobre diversas escrituras do Trika. Dentre esses comentários, dois são realmente fundamentais: Śivasūtravimarśinī e Spandanirṇaya. O primeiro é sobre os Śivasūtra-s, enquanto o segundo é sobre as Spandakārikā-s. Os Śivasūtra-s e as Spandakārikā-s são duas escrituras muito importantes em Trika. Entretanto, Kṣemarāja também queria escrever uma escritura própria. Ele admirava muito Utpaladeva. Utpaladeva havia composto a Īsvarapratyabhijñā (também chamada Pratyabhijñāsūtra-s), que é considerada como a obra mais importante da seção Pratyabhijñā. Lembre-se de que Utpaladeva havia sido discípulo de Somānanda, enquanto o guru de Kṣemarāja foi Abhinavagupta. Tanto Somānanda quanto Abhinavagupta foram renomados guru-s, e ambos Utpaladeva e Kṣemarāja foram dignos discípulos de tais grandes mestres, certamente. Diz-se que Kṣemarāja desejou compor o Pratyabhijñāhṛdayam devido ao seu fervoroso amor por Utpaladeva e suas obras. De fato, você verá que os vinte sūtra-s (aforismos) dos quais se compõe esta escritura são realmente um compêndio da Īśvarapratyabhijñā de Utpaladeva (a qual é composta por 199 sūtra-s).

O Pratyabhijñāhṛdayam data do século X da nossa era, aproximadamente. O significado literal de Pratyabhijñāhṛdayam é "Coração --hṛdayam-- do Reconhecimento --pratyabhijñā--". Entretanto, há três maneiras possíveis de interpretar isso:

1) Como eu disse antes, a palavra "Pratyabhijñā" significa Reconhecimento. Segundo o Trika, Śiva (o próprio Ser de todos) não pode ser "conhecido", já que não é um objeto cognoscível, e sim o Próprio Conhecedor. Em vez disso, Ele deve ser "reconhecido" como tal. Dessa forma, uma pessoa não conhece Śiva, e sim reconhece que na verdade é Ele Mesmo. Quando uma pessoa se dá conta de que é Śiva, isso é conhecido como Iluminação. Na verdade, não há nada extremamente complicado nisso, mas Śiva (Você), por meio da Sua Māyā, transforma a previamente mencionada Iluminação em algo extremamente difícil de alcançar. O genuíno Reconhecimento de que se é Śiva é raro nesse mundo. É claro que o genuíno Reconhecimento não é meramente dizer "Eu sou Śiva", e sim realmente perceber e compreender a própria e inerente unidade com Ele. Isso não é barato... é muito difícil de realizar, sem dúvidas, apesar de que qualquer pessoa já é Śiva. Um paradoxo! Então, para concluir, o termo "Pratyabhijñāhṛdayam" significaria o Núcleo ou Coração desse divino Reconhecimento, que, "pelo menos teoricamente", todos podem alcançar, mas que, "na prática", somente algumas poucas pessoas desfrutam. Nesse sentido, esta escritura se chamaria assim porque contém profundos ensinamentos sobre Pratyabhijñā ou Reconhecimento.

2) O sistema Trika (Shaivismo não dual da Caxemira) também é denominado Pratyabhijñā. Por quê? Por duas razões: a primeira está relacionada com a declaração feita pelo Trika sobre que uma pessoa não conhece Śiva, mas sim o reconhece como o próprio Ser; e a segunda se relaciona com a enorme importância da terceira seção (cujo nome é Pratyabhijñā) na literatura do Trika. Assim, essa escritura se chama Pratyabhijñāhṛdayam por ser um compêndio dos principais ensinamentos nessa importante seção.

3) A Īśvarapratyabhijñā de Utpaladeva (também conhecida como os Pratyabhijñāsūtra-s) foi a inspiração para que Kṣemarāja escrevesse o Pratyabhijñāhṛdayam e, nesse sentido, o título dessa escritura poderia ser traduzido como "O Coração da Īśvarapratyabhijñā ou Pratyabhijñāsūtra-s".

O Pratyabhijñāhṛdayam consiste de 20 aforismos mais um comentário do próprio Kṣemarāja. Fique avisado de que traduzi somente os aforismos, e não os respectivos comentários sobre cada um deles. Finalmente, note que o "m" final em Pratyabhijñāhṛdayam indica que o composto tem gênero neutro. Entretanto, você também poderia escrevê-lo em forma bruta, sem esse "m": "Pratyabhijñāhṛdaya". É por isso que às vezes você encontrará essa maneira alternativa de escrever o título da escritura.

Bem, mãos à obra.

Importante: Tudo o que está entre parênteses e em itálico dentro da tradução foi agregado por mim para completar o sentido de uma determinada frase ou oração. Por sua vez, tudo o que está dentro de um duplo hífen (-- ... --) constitui informação esclarecedora adicional também agregada por mim. Uma vez ou outra, alguns termos importantes podem ser destacados em cor. As notas embaixo de alguns aforismos também são minhas, é claro.


Obrigado a Paulo & Claudio que traduziram este documento do inglês/espanhol para o português brasileiro.


Ao início


 Pratyabhijñāhridayam

प्रत्यभिज्ञाहृदयम्
Pratyabhijñāhṛdayam
-O Coração (hṛdayam) do Reconhecimento (pratyabhijñā)-

चितिः स्वतन्त्रा विश्वसिद्धिहेतुः॥१॥
Citiḥ svatantrā viśvasiddhihetuḥ||1||

A independente (svatantrā) Śakti ou Poder Supremo (citiḥ) (é) a causa (hetuḥ) da manifestação, manutenção e dissolução (siddhi)1 do universo (viśva)||1||

1 O termo "siddhi" não significa "poder sobrenatural" ou "perfeição" nesse caso, e sim o triplo processo de manifestar, manter e dissolver o universo, levado a cabo por Citi (a Consciência Universal).


स्वेच्छया स्वभित्तौ विश्वमुन्मीलयति॥२॥
Svecchayā svabhittau viśvamunmīlayati||2||

Através de Seu próprio (sva) (Poder) de Vontade --icchā-- (icchayā), Ela --ou seja, "Citi"-- exibe (unmīlayati) o universo (viśvam) sobre o Seu próprio (sva) Tecido --bhitti-- (bhittau)||2||


तन्नानानुरूपग्राह्यग्राहकभेदात्॥३॥
Tannānānurūpagrāhyagrāhakabhedāt||3||

Isso --isto é, "o universo"-- (tad) (é) múltiplo (nānā) por causa da diferenciação (bhedāt) de objetos cognoscíveis (grāhya) (e) experimentadores ou sujeitos (grāhaka) (reciprocamente) adaptados (anurūpa)||3||


चितिसङ्कोचात्मा चेतनोऽपि सङ्कुचितविश्वमयः॥४॥
Citisaṅkocātmā cetano'pi saṅkucitaviśvamayaḥ||4||

O experimentador individual (cetanaḥ), no qual há contração (saṅkoca-ātmā) de Citi (citi)1, também (api) tem o universo como seu corpo (viśva-mayaḥ), mas em uma maneira contraída (saṅkucita)||4||

1 Em outras palavras, "no qual Citi está contraída".


चितिरेव चेतनपदावरूढा चेत्यसङ्कोचिनी चित्तम्॥५॥
Citireva cetanapadādavarūḍhā cetyasaṅkocinī cittam||5||

É unicamente (eva) Citi (citiḥ) (que), descendendo (avarūḍhā) desde a etapa (padāt) de Consciência pura (cetana), contrai a Si Mesma (saṅkocinī) (assumindo a forma do) objeto ou cognoscível (cetya); (e também é Citi que se torna) a mente (cittam)||5||


 तन्मयो मायाप्रमाता॥६॥
Tanmayo māyāpramātā||6||

O experimentador limitado (pramātā) governado por Māyā (māyā)1 consiste (mayaḥ) nisso --isto é, "em citta ou mente"-- (tad)||6||

1 Māyāpramātā também é denominado "o experimentador do vazio", já que repousa no nível de Māyā, que é o profudo vazio da ignorância.


स चैको द्विरूपस्त्रिमयश्चतुरात्मा सप्तपञ्चकस्वभावः॥७॥
Sa caiko dvirūpastrimayaścaturātmā saptapañcakasvabhāvaḥ||7||

E (ca) (ainda que) Ele --ou seja, "o Supremo Ser"-- (saḥ) (é) Único (ekaḥ), (torna-se) duplo (dvirūpaḥ), triplo (trimayaḥ), quádruplo (catur-ātmā) (e) cuja natureza (sva-bhāvaḥ) são sete (sapta) grupos de cinco (pañcaka)||7||


तद्भूमिकाः सर्वदर्शनस्थितयः॥८॥
Tadbhūmikāḥ sarvadarśanasthitayaḥ||8||

As posições (sthitayaḥ)1 de todos (sarva) os sistemas filosóficos (darśana) (são somente diversos) papéis (bhūmikāḥ) (executados) por esse (Ser ou Consciência) (tad)||8||

1 Em outros termos, "as conclusões finais estabelecidas por essas filosofias".


चिद्वत्तच्छक्तिसङ्कोचान्मलावृतः संसारी॥९॥
Cidvattacchaktisaṅkocānmalāvṛtaḥ saṁsārī||9||

Isso --ou seja, "o Ser"-- (tad), que está repleto de Consciência (cit-vat), (converte-se) na alma transmigratória (saṁsārī) coberta (avṛtaḥ) com Mala (mala)1 devido a (Sua) contração (saṅkocāt) de Śakti ou Poder (śakti)||9||

1 Mala significa literalmente "impureza". Por sua vez, Mala pode ser dividido em três categorias: Āṇavamala (que produz em Śiva a noção de que é imperfeito, ou seja, não Divino), Māyīyamala (que produz em Śiva a noção de diferença Nisso, que é completamente não dual) e Kārmamala (que produz em Śiva a noção de que é um fazedor limitado de ações limitadas). Acorde, Śiva!


तथापि तद्वत्पञ्चकृत्यानि करोति॥१०॥
Tathāpi tadvatpañcakṛtyāni karoti||10||

Inclusive (tathā-api) (nessa condição limitada, a alma individual) realiza (karoti) as cinco (pañca) funções (kṛtyāni)1 como (vat) esse (Supremo Ser) (tad)||10||

1 As cinco funções são: Sṛṣṭi (manifestação), Sthiti (manutenção), Saṁhāra (reabsorção), Vilaya (obscurecimento ou ocultação de Sua natureza essencial) e Anugraha (Graça Divina que tira o véu de Māyā ou Ilusão).


 आभासनरक्तिविमर्शनबीजावस्थापनविलापनतस्तानि॥११॥
Ābhāsanaraktivimarśanabījāvasthāpanavilāpanatastāni||11||

Essas (cinco funções) (tāni) (também podem ser explicadas) por meio (taḥ) (destes cinco termos): Ābhāsana --"o ato de manifestar"-- (ābhāsana), Rakti --"o desfrute"-- (rakti), Vimarśana --"o ato de se experimentar como o Ser"-- (vimarśana), Bījāvasthāpana --"o ato de plantar a semente"-- (bīja-avasthāpana) (e) Vilāpana --"a dissolução"-- (vilāpana)1||11||

1 Ou seja, Ābhāsana equivaleria a Sṛṣṭi (manifestação), Rakti a Sthiti (manutenção), Vimarśana a Saṁhāra (reabsorção), Bījāvasthāpana a Vilaya (obscurecimento ou ocultação) e Vilāpana a Anugraha (Graça Divina).


तदपरिज्ञाने स्वशक्तिभिर्व्यामोहितता संसारित्वम्॥१२॥
Tadaparijñāne svaśaktibhirvyāmohitatā saṁsāritvam||12||

Ser uma alma transmigratória (saṁsāritvam) (significa) estar confudido ou infatuado (vyāmohitatā) pelos próprios (sva) poderes --śakti-- (śaktibhiḥ) por causa da total ignorância (aparijñāne) sobre isso --isto é, "sobre a autoria das cinco funções ou quíntuplo ato"-- (tad)1||12||

1 O termo "pañcakṛtya" (cinco funções) também é traduzido, às vezes, como "quíntuplo ato".


तत्परिज्ञाने चित्तमेवान्तर्मुखीभावेन चेतनापदाध्यारोहाच्चितिः॥१३॥
Tatparijñāne cittamevāntarmukhībhāvena cetanāpadādhyārohāccitiḥ||13||

Quando há conhecimento completo (parijñāne) disso --ou seja, "da autoria das cinco funções ou quíntuplo ato"-- (tad), a própria (eva) mente (cittam), mediante (bhāvena) introspecção (antarmukhī), (torna-se) o Poder Supremo (citiḥ) por meio da ascensão (adhyārohāt) (ao) estado (pada) de Consciência pura (cetana)||13||


चितिवह्निरवरोहपदे छन्नोऽपि मात्रया मेयेन्धनं प्लुष्यति॥१४॥
Citivahniravarohapade channo'pi mātrayā meyendhanaṁ pluṣyati||14||

O Fogo (vahniḥ) do Poder Supremo (citi), ainda que (api) coberto ou ocultado (por Māyā ou Ilusão) (channaḥ) na etapa (pade) inferior (avaroha), parcialmente (mātrayā) consome (pluṣyati) o combustível (indhanam) dos objetos cognoscíveis (meya)||14||


बललाभे विश्वमात्मसात्करोति॥१५॥
Balalābhe viśvamātmasātkaroti||15||

Quando (alguém) obtém (lābhe) o Poder de Citi ou Consciência Universal (bala), faz (karoti) o universo (viśvam) similar a si mesmo (ātmasāt), (isto é, ele assimila o universo a ele mesmo)1||15||

1 A frase "ātmasātkaroti" deriva de "ātmasāt kṛ", que normalmente significa "pôr sobre si, apropriar-se, atrair, voltar (algo ou alguém) a si, adquirir ou ganhar para si, etc.". No entanto, em Trika, significa "tornar similar a si mesmo, assimilar a si mesmo", o qual equivale a "experimentar unidade". Consequentemente, "viśvamātmasātkaroti" significa realmente "experimentar unidade com o universo". Quando se diz que você deve assimilar o universo a você mesmo, significa que deve experimentar unidade com ele; esse é o sentido.


 चिदानन्दलाभे देहादिषु चेत्यमानेष्वपि चिदैकात्म्यप्रतिपत्तिदार्ढ्यं जीवन्मुक्तिः॥१६॥
Cidānandalābhe dehādiṣu cetyamāneṣvapi cidaikātmyapratipattidārḍhyaṁ jīvanmuktiḥ||16||

Quando (alguém) obtém (lābhe) a Bem-aventurança (ānanda) da Consciência Absoluta (cit), (há) estabilidade ou firmeza (dārḍhyam) da consciência (pratipatti) de identidade (aikātmya) com (essa) Consciência Absoluta (cit), ainda que (api) o corpo (deha), etc. --ādi-- (ādiṣu), esteja sendo experimentado (cetyamāneṣu). (Esse estado é conhecido como) Jīvanmukti --"Libertação ou Mukti em vida"-- (jīvanmuktiḥ)1||16||

1 Em outras palavras, "Libertação enquanto se mantém o corpo físico". Por sua vez, "Videhamukti" significa Libertação alcançada no momento de deixar o corpo.


मध्यविकासाच्चिदानन्दलाभः॥१७॥
Madhyavikāsāccidānandalābhaḥ||17||

Por meio do desdobramento ou desenvolvimento (vikāsāt) do (estado) médio (madhya), (há) aquisição (lābhaḥ) da Bem-aventurança (ānanda) da Consciência Absoluta (cit)||17||


विकल्पक्षयशक्तिसख़ोचविकासवाहच्छेदद्यन्तकोटिनिभालनादय इहोपायाः॥१८॥
Vikalpakṣayaśaktisaṅkocavikāsavāhacchedadyantakoṭinibhālanādaya ihopāyāḥ||18||

Aqui (estão) (iha) os meios (para esse desdobramento ou desenvolvimento) (upāyāḥ): 1) dissolução ou dissipação (kṣaya) de (todos) os vikalpa-s ou pensamentos (vikalpa), 2) desdobramento (vikāsa) (e) contração (saṅkoca) de Śakti ou Poder (śakti)1, 3) cessação do fluxo de prāṇa e apāna por meio da repetição de sons "anacka" --ou seja, "sem vogais"-- (vāha-cheda)2, etc. (ādi), (e) 4) a percepção (nibhālana) do dvādaśānta (antakoṭi)3, etc. (ādayaḥ)||18||

1 Com "desdobramento e contração de Śakti ou Poder", o autor quis dizer "retirada da Prāṇaśakti ('energia prânica ou vital' seria uma tradução aproximada mas útil por enquanto) que escapa através dos órgãos sensórios interiorizando-a e levando-a até o Ser, enquanto, ao mesmo tempo, permite-se aos sentidos continuar com o seu trabalho normal". Em outras palavras, "retirada ou contração --saṅkoca-- de Prāṇaśakti" junto com "desdobramento de Śakti --vikāsa-- através dos sentidos, já que se permite a estes continuar trabalhando como sempre".

2 O composto "vāhaccheda" não é composto por "vāhac" (o qual, por sua vez, derivaria possivelmente de "vāhat") e "cheda", mas sim por "vāha" e "cheda", já que, pela primeira sub-regra da 19a Regra do Sandhi de Consoantes, deve-se obrigatoriamente inserir "c" entre "ch" e a vogal curta precedente ("a" em "vāha", nesse caso).
Em outras palavras, esse "c" antes de "ch" não é um constituinte original, e sim uma consoante que deve ser obligatoriamente inserida segundo essa regra em particular do Sandhi de Consoantes.
Então, "Vāha" significa "energia vital ou Prāṇaśakti". Por sua vez, "cheda" significa "cessação de prāṇa (ou seja, a energia específica que se libera através da expiração) e apāna (ou a energia específica que entra no corpo através da inspiração) por meio da repetição de sons anacka". Os sons anacka são simplesmente consoantes sem vogal. Por exemplo: h.

3 "Dvādaśānta" significa "certos pontos localizados a uma distância de doze dedos" (por exemplo, há um dvādaśānta no espaço entre as sobrancelhas, a doze dedos da garganta). Ainda que Kṣemarāja não especifique a qual dvādaśānta (há vários) está referindo-se, geralmente se entende como significando "āntaradvādaśānta" (o coração ou ponto onde termina a inspiração) e "bāhyadvādaśānta" (o ponto externo onde termina a expiração). Ou seja, deve-se prestar atenção a esses dois pontos ou dvādaśānta-s durante a meditação para desdobrar ou desenvolver o estado médio ou Madhya.


समाधिसंस्कारवति व्युत्थाने भूयो भूयश्चिदैक्यामर्शान्नित्योदितसमाधिलाभः॥१९॥
Samādhisaṁskāravati vyutthāne bhūyo bhūyaścidaikyāmarśānnityoditasamādhilābhaḥ||19||

No estado que vem depois do Samādhi ou Perfeita Concentração (vyutthāne), o qual está repleto dos saṁskāra-s --saṁskāravat-- (saṁskāravati)1 (desse) Samādhi (samādhi), (há) aquisição (lābhaḥ) de um Samādhi (samādhi) permanente (nitya-udita) ao refletir (āmarśāt) de novo e de novo (bhūyas bhūyas) na própria identidade (aikya) com a Consciência Absoluta (cit)||19||

1 "Repleto de saṁskāra-s" significa, aqui, "cheio de efeitos subsequentes". Em outras palavras, quando se está em Vyutthāna (o estado que segue Samādhi ou Perfeita Concentração), tanto mente como corpo estão repletos dos respectivos efeitos subsequentes produzidos por esse Samādhi.


तदा प्रकाशानन्दसारमहामन्त्रवीर्यात्मकपूर्णाहन्तावेशात्सदा सर्वसर्गसंहारकारिनिजसंविद्देवताचक्रेश्वरताप्राप्तिर्भवतीति शिवम्॥२०॥
Tadā prakāśānandasāramahāmantravīryātmakapūrṇāhantāveśātsadā
sarvasargasaṁhārakārinijasaṁviddevatācakreśvaratāprāptirbhavatīti śivam||20||

Então (tadā), como resultado de ingressar (veśāt) na Perfeita (pūrṇa) consciência do Eu (ahantā), a qual é essencialmente (sāra) Luz (prakāśa) (e) Bem-aventurança (ānanda) (e cuja) natureza (ātmaka) (consiste) no grande (mahā) poder (vīrya) do Mantra (mantra), há (bhavati) sempre (sadā) aquisição ou obtenção (prāptiḥ) de soberania ou supremacia (īśvaratā) sobre o grupo (cakra) de deidades (devatā) da própria (nija) Consciência (saṁvid), a qual produz (kāri) todas (sarva) as manifestações (sarga) (e) dissoluções (saṁhāra) (do universo). Dessa forma, tudo tem por natureza Śiva (iti śivam)1||20||

1 Tudo é essencialmente Śiva.

Ao início


 Informação adicional

Gabriel Pradīpaka

Este documento foi concebido por Gabriel Pradīpaka, um dos dois fundadores deste site, e guru espiritual versado em idioma Sânscrito e filosofia Trika.

Para maior informação sobre Sânscrito, Yoga e Filosofia Indiana; ou se você quiser fazer um comentário, perguntar algo ou corrigir algum erro, sinta-se à vontade para enviar um e-mail: Este é nosso endereço de e-mail.